Como desintoxicar o fígado para evitar doenças comuns

Após o frio e a chuva se inicia o “renascer”. A primavera traz-nos uma energia renovadora, e é o momento de limpar e desintoxicar o nosso fígado. Do mesmo modo que tudo renasce, nosso corpo ficou fora muitas coisas potencialmente guardadas. Daí que, na primavera, rebrotam as alergias, os problemas na pele e nas vias respiratórias.

desintoxicar o figado

O fígado e a vesícula biliar são os órgãos que governam sobre a primavera. O alimento vivo, vivifica nosso fígado, o alimento morto vai agredir e destruindo-o em modo silencioso.

O fígado transforma os resíduos dos alimentos, fixando-o que precisa ou eliminando os tóxicos, desde que funcione bem. Este órgão pesa 1 ½ kg e é o campo mais volumosa do nosso corpo. Está localizado na parte superior direita do abdômen. Realiza mais de 500 funções.

Quem tem um fígado grande ou que funciona bem, tem um fígado saudável e tem muita vida, energia e vitalidade. Ao contrário, qualquer limitação de sua função, implica a diminuição da vitalidade.

Os transtornos hepáticos se manifestam com sono, cansaço, falta de energia vital, dores de cabeça, distúrbios de visão e audição, má noite de sono, problemas de pele, etc.

Como podemos ajudar nosso fígado a desintoxicar?

O ideal é uma alimentação baseada em frutas e vegetais crus. Todas são boas, vamos nos referir às mais específicas:

Limão:

É o limpador de fígado por excelência. Tomar em jejum o suco de um limão espremido e diluído em água morna. Beber uma palhinha para não danificar o esmalte dos dentes. Esperar no mínimo, meia hora para a outra ingestão. Evitar o limão se está menstruada.

Marmelo:

O marmelo é excelente para fazer assado ou cozido. E adoçar com mel.

Verduras amargas, sobretudo de raízes:

As propostas são: rúcula, chicória, nabo, beterraba. Favorecem a mobilização de gorduras do fígado. O rabanete preto é bom, seja ralado ou em forma de suco. Pois tonifica o fígado e as vias biliares.

Alcachofra:

É colerético, ou seja, que aumenta a secreção e produção de bile. Inibe a formação de cálculos de colesterol. O princípio ativo mais concentrado reside em grandes folhas e os troncos. O ideal é comer o alcachofra e tomar a água de seu cozimento. Esta água é altamente depuração.

Espargos:

Os espargos também são aconselháveis.

Dente-de-leão:

Combine suas virtudes com a alcachofra.

Cebola:

O consumo para o tratamento, o ideal é recorrer ao caldo de cebola.

Abóbora e cenoura:

Ideais pela ingestão de beta-caroteno.

Para temperar, dar atenção especial ao azeite de oliva extra virgem. Dentro das especiarias temos as terapêuticas:

Cúrcuma:

A cúrcuma é uma raiz colerética e rica em colágeno. Pode ser encontrado em forma de pó.

Curry e gengibre:

Curry e gengibre são estimulantes do fígado. O ideal é acrescentado às saladas de raiz de gengibre fresca.

Opções naturais ajudam

Silimarina

Princípio ativo da planta Silybum marianum, popularmente conhecida como Cardo Mariano. Este hepato por excelência, protege o fígado e regenera suas células.

Complemento do cirrose, progressiva, dado que pequenas, fígado gorduroso, hepatite, até icterícia, alergias, digestão de gorduras, diabetes, enxaquecas e na recuperação de quimioterapia.

Alga Chlorella

Esta alga verde unicelular de forma esférica e em torno de 2 a 10 mícrons de diâmetro, tem a honra de ser o alimento com a maior percentagem de clorofila do planeta e um dos alimentos mais completos. É conhecido sobretudo por sua capacidade de eliminar as toxinas do corpo. Entre as incríveis propriedades da alga chlorella são a sua capacidade de desintoxicação do fígado, os intestinos e o sangue.

Murta

Os estudos apontam que a Murta é um dos frutos com maior teor de quercitina no mundo; a quercitina é um componente conhecido como um poderoso anti-inflamatório natural e anti-histamínico.

Tem ainda de estrutura pentacíclica, é dizer, com efeito analgésico e anti-inflamatório. Graças à presença de ácido oleanólico e ácido ursólico, que, além disso, protegem o fígado. Pelo seu alto conteúdo em quercitina, Usado em um tratamento para o tumor de próstata, problemas respiratórios e alérgicos.

Conclusão

Esta desintoxicação de primavera deve ser acompanhada também de um trabalho corporal, emocional e espiritual. As rifas afetam o fígado…o “nada”, como se costuma dizer. Nos “brotamos” não só por reação ao ambiente, mas porque estamos brotados por dentro e isso nos torna mais intolerantes ao meio externo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *